terça-feira, 22 de maio de 2012


Sun Tzu
  Dividido em treze capítulos, a obra do general chinês Sun Tzu () deixou os campos de batalha para ajudar empresários e outros profissionais a competir no mercado.
     Livro de cabeceira de Napoleão Bonaparte, a Arte da guerra (孫子兵) possui os seguintes capítulos, acompanhados de um trecho:
I – Planejamento inicial

“O comandante apóia sua autoridade nestas virtudes: sabedoria, justiça. Benevolência, rigor e coragem”

II – Administrando a Guerra

“Apenas quem está completamente familiarizado com as dificuldades da guerra pode compreender inteiramente a conveniência de levá – La adiante com rapidez”

III – Estratégia de Luta

“O comandante que for incapaz de controlar a impaciência, o açodamento e a irritação lançará seus soldados ao ataque como um aglomerado de formigas e o resultado será a morte de um terço de seus homens”

IV – Disposições táticas

“O líder perfeito cultiva as Leis Morais e segue rigorosamente o Método; assim, ele tem o poder de controlar o sucesso.”

V – Energia Combinada

“Uma confusão simulada requer uma disciplina perfeita; medo simulado requer coragem; fraqueza simulada demanda força.”

VI – Detecção de pontos fracos e fortes

“É divina a arte da sutileza e do segredo! É através dela que se aprende a ser invisível e inaudível; enigmáticos como um deus – assim poderemos ter o destino do inimigo em nossas mãos”

VII – Estratagemas

“Disciplinados e calmos, esperando o surgir da desordem e do tumulto entre as hostes inimigas: essa é a arte estratégica de preservar o autodomínio”

VII – Diversificações Estratégicas

“A arte da guerra nos ensina a confiar, não na possibilidade de o inimigo não vir, mas sim, na nossa prontidão para recebê-lo; não na probabilidade de ele não atacar, mas preferivelmente no fato de termos tornado nossa posição inexpugnável”

IX – O exercito em movimento

“Aquele que não sabe fazer previsões e faz pouco caso de seus oponentes, subestimando sua capacidade, certamente será derrotado por eles.”

X – Topografia do terreno

“Veja seus homens como seus discípulos e eles o seguirão aos vales mais profundos; zele por eles como se fossem seus filhos queridos e eles ficarão ao seu lado até mesmo na morte”.

XI – Manobras em nove situações

“O general habilidoso conduz seu exercito como se estivesse trazendo pela mão um único homem indeciso”.

XII – Ações Pirotécnicas

“Infeliz é o destino daquele que tenta vencer batalhas e ser bem sucedido no combate sem cultivar um espírito empreendedor”

XIII – Uso de agentes infiltrados

“Só o soberano iluminado e o general capaz é que usarão a mais elevada inteligência do exercito com o objetivo de espionar e, por esta razão, conseguirão os melhores resultados”.

0 comentários:

Postar um comentário